Quarta, 20 de Outubro de 2021
87 996048999
Senado Federal Senado Federal

Vídeo de filho de Bolsonaro representa ameaça à CPI, acusam senadores

Senadores abriram da CPI da Pandemia desta terça-feira (21) com críticas a Jair Renan, filho do presidente da República, Jair Bolsonaro. Os parlame...

21/09/2021 22h10
18
Por: Redação Fonte: Agência Senado
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Senadores abriram da CPI da Pandemia desta terça-feira (21) com críticas a Jair Renan, filho do presidente da República, Jair Bolsonaro. Os parlamentares acusaram o caçula de Bolsonaro, de 22 anos, de ter ameaçado, ainda que de forma velada, a comissão ao publicar nas redes sociais um vídeo em que ele aparece numa loja de armas de um amigo e na legenda diz: "Alô, CPI!".

Depois de ouvir as manifestações dos colegas, o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), informou que conversou com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que disse estar "100% solidário com o trabalho da comissão". Ainda segundo Omar Aziz, Pacheco classificou de inaceitável esse tipo de comportamento, seja de quem for, e que tomaria providências. 

 É uma ameaça velada, sim. A própria CPI poderia tomar suas providências, mas preferi levar o caso ao presidente porque a CPI não é nossa, é do Senado. Quem está investigando os problemas relacionados à pandemia é o Senado Federal. Nós estamos aqui apenas indicados pelos nossos partidos. A CPI Não é uma coisa à parte. O presidente me disse claramente hoje de manhã que é inaceitável e que tomará providências  declarou. 

O assunto foi levado à reunião pelo senador Rogério Carvalho (PT-SE), que pediu ao comando da comissão que tomasse providências "diante de uma clara tentativa de intimidação". 

  Por ser filho do presidente, ele teria que dar o exemplo de respeito às instituições, de respeito à democracia e ao Estado democrático de direito, e não fazer ameaças veladas, apresentando armas em loja de amigo dele, seja lá de quem for, mostrando que é na bala que ele vai se livrar daquilo que tem a responder perante a Justiça  avaliou Rogério. 

Para a senadora Simone Tebet (MDB-MS) a ameaça a uma instituição democrática ou a algum parlamentar, ainda que pelas redes sociais, é muito grave, principalmente vinda do filho do presidente da República. Ela lembrou que quando um parlamentar se sente ameaçado, ameaçado está também o Senado Federal. 

— Não e trivial o que aconteceu, não podemos considerar isso como algo normal. E não é só por se tratar do filho do presidente, mas porque é algo recorrente e pelo reflexo que isso tem na juventude do Brasil  afirmou. 

Já o relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), disse tratar-se de mais um filho de Jair Bolsonaro que não recebeu educação. O relator considerou o fato estapafúrdio. 

 Essa ameaça é uma coisa estapafúrdia contra uma instituição parlamentar que, com todas as dificuldades que o Brasil vê, está fazendo a sua parte, cumprindo o seu papel. Isso é uma coisa absurda, absurda sob qualquer aspecto! E essas ameaças de um fedelho como esse não vão intimidar, de forma nenhuma, essa Comissão Parlamentar de Inquérito  avisou. 

"Comportamento inadequado"

Ao comentar o comportamento de Jair Renan, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) disse que a atitude dele foi inapropriada, mas não o suficiente para que seja necessária sua convocação pela CPI. O representante de Rondônia disse ainda não ter visto crime de ameaça, mas informou não se opor ao envio de uma representação para apuração do fato pelo foro competente. 

 Não posso concordar com qualquer tipo de ameaça contra quem quer que seja. Aliás, já fui inclusive crítico aqui, quando depoentes foram ameaçados no âmbito da própria CPI. Da mesma maneira que condeno o que acontece aqui dentro, também não posso concordar com quem esteja fora daqui e queira se postar como alguém que tenha, dentro da liberdade de expressão, poderes para fazer qualquer tipo de ameaça, ainda que velada  opinou. 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.