Quinta, 06 de Maio de 2021
87 996048999
Câmara dos Deputados Câmara dos Deputados

Relatório do novo Código de Processo Penal vai dar prazo para criação do juiz das garantias

Texto do deputado João Campos (Republicanos-GO) será apresentado amanhã à comissão especial responsável pelo tema

12/04/2021 16h30
11
Por: Redação Fonte: Agência Câmara de Notícias

O relator do novo Código de Processo Penal (CPP - PL 8045/10 e apensados), deputado João Campos (Republicanos-GO), adiantou que vai propor alterações nas regras de investigação criminal, eliminar recursos e dar prazo para que o Judiciário passe a adotar a figura do juiz das garantias. O relatório preliminar será apresentado nesta terça-feira (13) à comissão especial da Câmara dos Deputados que discute o tema.

Campos afirmou que a proposta ainda será objeto de amplos debates, mas poderá ser aprovada pela comissão especial até julho deste ano. Depois, seguirá para o Plenário.

“O novo Código de Processo Penal será atualizado de acordo com os princípios da nossa Constituição e com o compromisso de ser, ao mesmo tempo, uma ferramenta que garanta a efetividade da Justiça Criminal e um sistema de enfrentamento à impunidade no Brasil”, avaliou.

Juiz das garantias
O juiz das garantias é um dos pontos polêmicos do texto. A intenção é separar o juiz que decide sobre o andamento do processo - prisões cautelares, diligências, escutas telefônicas e outras provas - daquele que vai decidir se o réu é culpado ou não do crime e definir a pena. Atualmente, o mesmo juiz acompanha o processo e dá a sentença.

Incluído no projeto original do novo CPP, a criação do juiz das garantias já foi aprovada pelo Congresso Nacional no pacote anticrime, mas acabou suspensa pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por decisões dos ministros Dias Toffoli, Luiz Fux e Alexandre de Moraes. Na avaliação de Fux, o juiz das garantias “não reforma, mas refunda o processo penal brasileiro”.

João Campos disse que vai manter o juiz das garantias no texto do novo CPP. “Proponho que a gente adote o juiz das garantias, mas estabelecendo um prazo de cinco anos para o Poder Judiciário brasileiro se adequar tanto do ponto de vista orçamentário quanto do ponto de vista da sua estrutura”, declarou.

Agilidade
Com o objetivo de agilizar os processos criminais e evitar a impunidade, Campos vai propor o fim de recursos protelatórios e fazer alterações nas regras do Tribunal do Juri.

Ele destacou o fim do chamado [[g embargo de declaração]], recurso usado pela defesa para esclarecer pontos das decisões judiciais. “Estamos enxugando, excluindo os recursos de natureza protelatória sem prejuízo para a garantia da ampla defesa”, comentou.

As mudanças no Tribunal de Juri também têm o objetivo de agilizar a realização de julgamentos de crimes dolosos contra a vida, que hoje podem demorar mais que uma década. A intenção, segundo Campos, é eliminar fases processuais para acelerar as decisões.

“Vai ser uma renovação muito significativa no procedimento dos crimes contra a vida para dar efetividade, porque não é possível termos casos de homicídio julgados após 15, 20 anos”, argumentou.

Investigação
João Campos acrescentou também que vai sugerir mudanças na fase de investigação criminal, a fim de ampliar os prazos de apurações contra investigações criminosas. “Cada vez mais os crimes se tornam complexos, de difícil investigação, e os prazos atuais são muito exíguos. Queremos facilitar o trabalho das polícias civil e federal.”

Campos adiantou ainda que vai sugerir a regulamentação da chamada investigação defensiva, feita pela equipe de defesa dos acusados, e que poderá ser aceita pelo Estado em caráter de colaboração.

Além disso, o relator ressaltou a regulamentação da cooperação jurídica internacional, item considerado fundamental no combate a organizações criminosas transnacionais.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.